Nesta semana a Editora Abril anunciou o fechamento de diversos títulos, como Boa Forma, Cosmopolitan, Elle, Mundo Estranho, Casa Claudia e Arquitetura e Construção. Segundo a empresa, o intuito desta decisão é “garantir sua saúde operacional em um ambiente de profundas transformações tecnológicas, cujo impacto vem sendo sentido por todo o setor de mídia”.

Marcas como Veja São Paulo, Exame, Você RH, Guia do Estudante, Capricho e M de Mulher são alguns do títulos remanescentes, que ao todo somam uma lista de audiência de 15 milhões de usuários únicos por mês e 5,2 milhões de circulação nas versões impressas e digital da companhia.

No último ano, o Grupo Abril registrou um prejuízo de R$ 331,6 milhões. Em 2016, as perdas foram de R$ 137,8 milhões. De acordo com o Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo, mais de 50 jornalistas já foram demitidos.

Uma triste notícia para a área da comunicação e que nos remete a uma reflexão: na era digital, como estamos conduzindo nosso processo de inovação e conversação com nossos clientes? Isso mesmo, mais do que comunicar, é preciso conversar.

Fonte: Valor Econômico