O ano de 2014 teve um dos piores natais da história do varejo e este ano o fraco desempenho deve se repetir.

A crise econômica mudou o cronograma das empresas, especialmente no varejo de alimentos, que vem fazendo até leilões com os fornecedores para reduzir preços. Claro que um dos principais motivos para esta estabilidade ou até mesmo retração para alguns é o aumento do dólar.

Nos supermercados as negociações de preço e volume devem acontecer bem perto do natal, para sentir melhor a reação do mercado até lá. “Em outros anos já no mês de setembro os supermercados costumavam estar com 100% de seu portfólio já negociado com as indústrias” diz um ex-presidente de rede varejista.

Como os consumidores tem trocado de marca dependendo da oferta encontrada, o varejo começou a entender se ao negociar bom preço e volume com as marcas, aumenta a chance de que a venda aconteça.

FONTE: VALOR ECONÔMICO