O respaldo científico das grandes indústrias farmacêuticas, aliado à tecnologia e ao espírito de inovação de startups, pode ser a chave de mudança para os cuidados com a saúde no futuro. A gigante AstraZeneca trabalha em parceria com três laboratórios de tecnologia – Technology Incubation Labs – em São Francisco (EUA), Cambridge (Inglaterra) e Shangai (China) para auxiliar no processo de inovação.

A agilidade e capacidade de mudança no processo de pesquisa e desenvolvimento dessas startups ajuda a empresa nesta “empreitada” por novos métodos para revolucionar a saúde, uma vez que sozinhas elas demorariam muito para conseguir a aprovação do FDA (Food and Drugs Administration).

Para Frank Pok, chefe de tecnologia da AstraZeneca, os impactos da tecnologia nesta área estão apenas começando, já que dados gerados através de smartphones e sensores, por exemplo, podem ser cruciais para a medicina de precisão realizar a prevenção de forma mais assertiva ou mesmo buscar novos métodos de tratamento para doenças como câncer ou Aids. “Muitas vezes, sequer temos dados suficientes para chegar a uma descoberta. A digitalização vai nos preparar para novos tratamentos, terapias e mesmo para prevenção”, diz Pok.

Fonte: Exame