Para a coluna da Fi News, o time da Equilibrium Latam e nosso parceiro de negócios Peter Wennstrom, da Health Marketing Team, que acompanhou de perto a feira Expo West, trouxeram uma análise de como as startups estão desenhando o futuro. E como cada um de nós, consequentemente, pode virar um #gamechanger.

#1 TOP TREND – 10x + naturais e orgânicos

Alimentos e bebidas naturais e orgânicos crescem 10 vezes mais se comparados aos processados.

À medida que estas “alternativas” tonam-se mais usuais, os volumes crescem, mas a sua trajetória de crescimento está achatada e a concorrência de preços está aumentando como era de se esperar. O E-commerce está colaborando para este crescimento, mas ainda em uma porcentagem muito pequena (2% dos alimentos e das bebidas e 7% da venda de bebidas).

Alguns exemplos observados por lá:

 

Hambúrguer de jaca produzido pela Upton’s, com sabor semelhante ao da carne de porco.

Desde 2016 no mercado, a marca Beyond Meat produz hambúrguer de soja e outras sementes com aparência e gosto semelhantes ao de carne bovina.

#2- E depois da naturalidade, ou junto a ela, o que está quente no mercado americano?

1.   Revolução Vegetal

2.   Regeneração do solo

3.   Desperdício zero

4.   Faça do seu jeito

5.   Buzz do Canabidiol (maconha medicinal)

Associada à busca pela naturalidade, estas tendências têm uma relação próxima entre si. Esse cenário surge com um novo consumidor, sensibilizado com a sustentabilidade do planeta, defensor de uma agricultura familiar e diversa, do combate ao desperdício de alimentos em toda sua cadeia; em um consumo minimalista, esses consumidores optam algumas vezes por fazer, de forma artesanal, do pão ao seu iogurte. E, mesmo não sendo vegetariano, adotam um perfil flextariano, no qual buscam um consumo sem origem animal alguns dias da semana.

O Canabidiol, ainda proibido por aqui, estreia como “a próxima grande coisa”. Se quiser saber um pouco mais, visite: https://www.thecannabist.co/2018/03/09/cbd-hemp-natural-products-expo-west/100873/

Alguns produtos:

A Frangiosa Farms oferece o Colorado Hemp Honey, uma variedade de mel cru combinado com extrato de CBD.

Desperdício zero: A produtora de saladas embaladas, a Organicgirl, está lançando bebidas prensadas a frio feitas com as sobras de alface.

# 3 – Canais online como nova solução

Uma pesquisa entre as empresas de bens de consumo revelou que a maioria das empresas novas (0-3 anos) escolhe começar o seu negócio na internet. Outros canais em crescimento são food service (serviços de alimentação) e a divulgação por meio de profissionais de saúde e influenciadores do mundo do estilo de vida e do “foodie”. Neste cenário, o destaque vai para alimentos gourmets e especiais, naturais e produtos medicinais (suplementos e nutraceuticos), mesmo sabendo que o varejo tradicional ainda é a locomotiva dos volumes de vendas.

15 marcas que atraíram o olhar digital de milhares de entusiastas da saúde – e também chamaram atenção durante a Natural Products Expo West 2018:

1.   Siete Family Food (https://sietefoods.com)

2.   Matchabar (https://matchabarnyc.com/)

3.   Purely Elizabeth (https://purelyelizabeth.com)

4.   Nature’s Path (https://www.naturespath.com/en-us/)

5.   That’s it (https://thatsitfruit.com/)

6.   The Maple Guild (https://www.mapleguild.com/)

7.   Halo Top Creamery (https://www.halotop.com/)

8.   Patagonia Provisions (https://www.patagoniaprovisions.com)

9.   Garden of Life (https://www.gardenoflife.com/content/)

10. Modern Oats (https://modernoats.com/)

11. Made in Nature (https://www.madeinnature.com/)

12. The Coconut Cult (https://thecoconutcult.com/)

13. NadaMoo! (https://nadamoo.com/)

14. Natrol (https://www.natrol.com/)

15. Neocell (https://www.neocell.com/)

#4- O consumidor como canal de compra

O crescimento nos canais alternativos é conduzido pelos millenials (Geração Y) e pelos compradores de canais naturais. O varejo passa por uma transformação e passa a integrar canais on e off-line. No Brasil já é possível retirar produtos comprados online em locais físicos, acompanhe a parceria entre Posto Ipiranga e a Via Varejo: http://www.meioemensage.com.br/home/ultimas-noticias/2018/01/09/via-varejo-fara-entregas-nos-postos-ipiranga.html

O consumidor é hoje o ponto de venda, e a casa é, mais frequentemente, o local de onde você faz as compras. A loja, o telefone, a internet são partes do seu ecossistema de compras.

Algumas Strat-ups estão usando o comércio eletrônico para sair do chão, um exemplo é a Cali’flour, na Califórnia, fabricante de massas de pizzas à base de vegetais. Com apenas dois anos, todos os seus negócios são direcionados ao consumidor. O marketing da empresa é realizado por meio de e-mail, Google Adwords. mídia social e comentários de clientes, o que permite que a empresa construa uma conexão mais forte com os consumidores e tenha total controle sobre sua mensagem. Em 2017, faturaram mais de U$ 5 milhões em vendas diretas ao consumidor, este ano espera-se um faturamento entre U$ 15 e 16 milhões

#5- Consumidores sobrecarregados

A sobrecarga faz sentido, pois se a Expo West é uma reflexão do que está acontecendo, então, como consumidor você está de frente a um número cada vez maior de marcas novas, benefícios para a saúde e mensagens nutricionais. Experimente visitar no Brasil uma loja do Mundo Verde e verá que há um turbilhão de novas marcas que você não esta acostumado. A partir desta avalanche de informações, como o consumidor se orienta? Bem, a resposta simples é que ele está confuso, e tirando suas próprias conclusões, e como não há um único perfil de consumidor, não haverá um único direcionamento. O jogo está mais difícil e complicado.

#6- Consumidor “early adopter” ganha força

O mercado de alimentos e bebidas naturais e orgânicos tem cerca de 25% do mercado total e isso combina perfeitamente com os números do Wellbeing Consumer segment (segmento do bem-estar do consumidor), reportado pelo Natural Market Institute. Dentre estes consumidores (Early adopter ou LOHAs) metade são millenials, gastam mais e representam 1/3 do total dos compradores online. Eles também são mais fiéis às marcas, o que significa que eles também exigem mais delas, razão pela qual eles muitas vezes “dão as costas” às grandes marcas.

Por isso marcas como No Evil Foods, fabricante de salsicha à base de plantas e a Violife, especialista em produzir laticínios à base de plantas, em especial queijos duros como o parmesão, começam a fazer muito sucesso mesmo entre os não vegetarianos, mas consumidores LOHAs adeptos a um estilo de vida saudável.

#7- Grandes marcas urgem mudanças e aquisições

Em um estudo recente da HealthFocus International, grandes marcas se destacaram em todos os pontos críticos em comparação às pequenas marcas. A diferença foi mais forte na percepção da capacidade em transmitir ética (-37% vs pequenas marcas), saudável (-32%), ingredientes de qualidade (-28%), sustentabilidade (-25%), inovação (-24%) e a lista continua. E um critério que põe em cheque a credibilidade destas marcas: uma redução de 27% no quesito “acreditar nos produtos que eles oferecem”.

#8- A pivotagem da comunicação e da mídia

Segundo pesquisa sobre cultura do @thmt os antigos modelos de divulgação de marcas não funcionam mais entre os futuros consumidores. Esqueça ideias racionais como “proposta única de valor” ou o “benefício”, pois o consumidor de amanhã não será racional em suas escolhas. O novo princípio de branding é Bonding (forte ligação) e isso significa uma relação ao invés de uma transação. O Healthy Marketing Team está explorando isto em um novo projeto de pesquisa cultural chamado “The Church of Health Eating”, que será lançado ainda este semestre.

#9- O jogo está mudando, como você muda o seu jogo?

A ExpoWest deste ano foi uma manifestação da mudança que nós estamos vendo na indústria global de alimentos e bebidas, a mudança que pode ser melhor descrita como uma mudança de paradigma, na qual vamos de um mundo de alimentos processados para o de alimentos naturais. Isso também significa ir de soluções químicas para métodos biológicos naturais. Isto também significa que a indústria de cuidados pessoais é a próxima a ser desafiada pelo consumidor. Vários bons exemplos disto foram mostrados na Expo!

Feita com frutas, vegetais e fibra dietética, a sobremesa congelada produzida na Califórnia, não contém adoçantes, gorduras ou gomas adicionados

#10 – QTrends 2018-2019 será lançado em Abril!

Para entender as tendências que nós da Equilibrium acompanhamos ao redor do mundo e monitorar a mudança de paradigma no Brasil, a Equilibrium traz anualmente uma ferramenta, o QTrends. E este ano, com lançamento previsto para maio, incluiremos a visão e participação dos seis “game changers”, do The Health Marketing team, que irão impactar a indústria de alimentos e nutrição. E quando dizemos indústria, queremos dizer alimentos, bebidas, suplementos dietéticos e cada vez mais cuidados pessoais. Ontem nós tínhamos os alimentos para o sustento e a indústria farmacêutica para a saúde. Amanhã nós teremos a nutrição para a saúde preventiva e bem-estar e a indústria farmacêutica para as doenças.

Na página do LinkedIn da Equilibrium, você encontra diversos insights como este, além de novidades sobre o mercado de alimentos e bebidas. Clique aqui e aproveite os conteúdos da página!

Por Cynthia Antonaccio

CEO Equilibrium