Sustentabilidade é uma das tendências mais crescentes nos últimos tempos. Grande parte do consumidores hoje já consideram questões ambientais e sociais como fator de decisão de compra. Foi pensando nisto que pesquisadores do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) apresentaram na 252º edição da Exposição Nacional e Meeting da Sociedade Americana de Química (da sigla em inglês ACS), um dos eventos científicos de maior prestígio no mundo, uma opção de embalagem feita a partir da proteína caseína do leite, que diminue a produção de resíduos e é proveniente de um ingrediente natural e não sintético.

Peggy Tomasula, líder de desenvolvimento da pesquisa, declarou que  “as embalagens feitas de proteínas lácteas contem orifícios 500 vezes menores que os plásticos comuns e por isso  são melhores bloqueadores da ação de oxigênio, principal fator de degradação dos alimentos, aumentando assim o tempo de prateleira”.

Além de potencialmente reduzir o tempo de prateleira e impactar no desperdício, as embalagens proteicas são totalmente biodegradáveis, não utilizam químicos potencialmente poluidores do meio ambiente e podem ser comestíveis. O produto ainda não está disponível para comercialização, mas já desperta grande interesse das empresas. Segundo Laetitia Bonnaillie, Ph.D e co-diretora do estudo, alguns ajustes ainda são necessários, mas reforça que em 3 anos a embalagem estará disponível  para o mercado.

 

FONTE: FOOD NEWS LATAM