Uma pesquisa do Kantar Worldpanel Brasil realizada de junho de 2017 a junho deste ano, com a análise do volume de compras de 108 categorias de giro rápido em mais de 10 mil lares no país, mostrou que o brasileiro está consumindo mais produtos como azeite, suco congelado, sobremesas e lanches prontos. Em contrapartida, está comprando menos itens como bebida à base de soja, óleo de soja, polpa de tomate e alisantes.

Essas mudanças refletem a busca do consumidor por produtos com apelo de naturalidade, saúde e praticidade. Três produtos em queda chamam a atenção:

  • bebidas à base de soja – queda de 29,9%: A crescente oferta de bebidas à base de coco, arroz e amêndoas contribuiu para esta queda;
  • alisante de cabelo – queda de 16,7%: um visual “mais natural” e o boom de marcas que oferecem soluções práticas e viáveis para cabelos cacheados e crespos, deixam este produto em segundo plano;
  • óleo de soja – queda de 27,6%: com um forte apelo de nutrição e sabor, o consumo de azeite tem crescido, inclusive no preparo de alimentos, fazendo com que a substituição do óleo de soja e milho seja constante.

“O consumidor está buscando mais suco, mais água de coco, mais azeite. Isso é uma escolha mais natural possível. Mas deixar de consumir óleo de soja e bebida à base de soja não torna ninguém necessariamente mais saudável. A questão é que a maior busca por naturalidade e nutrição faz crescer também a oferta por parte da indústria, e itens mais naturais e menos processados passam a ganhar espaço na cesta do brasileiro”, ressalta Cynthia Antonaccio, CEO Equilibrium Latam.

Conheça nossa Ação de Saúde e Nutrição no PDV e saiba como manter o seu cliente fiel à marca. Clique aqui

De acordo com a pesquisa, o volume total de compras da cesta de produtos segue sem crescimento significativo pelo terceiro ano consecutivo, no entanto, a Associação Brasileira de Supermercados (Abras) projeta um crescimento de 2,53% no ano nas vendas nos supermercados em termos reais. Para Giovanna Fischer, Diretora de Marketing da Kantar Worldpanel, o consumidor continua com o bolso apertado e suas escolhas ficam cada vez mais relevantes, fazendo com que ele escolha um produto pelo custo ou pelo benefício, economizando em algumas coisas para poder investir em outras.

Fonte: G1