As novas gerações estão passando por um processo de compreensão sobre como
será a alimentação daqui pra frente. Questões como indulgência, experiência e
tecnologia são consideradas como ‘divisores de água’ para assimilar melhor esse
aspecto da revolução da comida. Imerso a este processo, também se encontra a
necessidade do mercado de interpretar as necessidades do seu consumidor.

Esse anseio abrange, principalmente, como expandir a produção e propagação de
produtos naturais. Como já foi discutido nesta edição, as pessoas estão buscando
cada vez mais alimentos naturais, que possam ser incorporados de modo rápido
e prático em suas rotinas.

Jan Handel, Head of Marketing e Novos Negócios da NATURE’S HEART
enfatiza que “o varejo está se preparando para vender produtos naturais” e que isso é
mensurado em pesquisas, como as realizadas pela Euromonitor.

As pessoas estão buscando por alimentos mais naturais e que atendam às suas
vontades. Por isso, é primordial beneficiar-se de uma das principais particularidades dos
seres humanos, somos incontestavelmente exploradores de comida e por isso, aquilo que
é novidade nos saltam os olhos e nos incentiva a experimentar.

Mesmo com essa vontade emergindo do consumidor, ainda é um desafio educá-lo sobre
produtos à base de vegetais. Antes, existiam outras formas de comer e agora, em paralelo,
surge uma inovação neste campo. O plant-based, apesar de ser um termo bem abordado
atualmente, ainda continua levantando questões entre os consumidores, que estranham a
novidade. Assim, o consumidor precisa ser instigado a comprar estes produtos.

Marcas como a NATURE’S HEART assumem o desafio de promover essa
‘educação do consumidor’. Com uma linha de nutrição plant-based 100% natural, a
marca reúne bebidas vegetais, superfood e snacks saudáveis. E, como diferencial, ela
oferece sabores que incentive a curiosidade do consumidor, como a bebida vegetal de
‘Coco & Arroz’.

Jan traz que um dos aspectos que auxiliam nessa exponencialização dos produtos
naturais no mercado é a disponibilidade e a visibilidade da marca. Ela precisa ser
trabalhada nesse espaço de modelo de mercado hibrido, mostrando também que grandes
marcas se preocupam em inserir produtos naturais no seu portfólio, para agregar mais
valor a marca e também construir credibilidade no segmento.

A educação do consumidor para o consumo desses produtos só ocorre quando o
sabor é posto à prova. É imprescindível colocar novas vertentes de sabores à disposição
desse público. Identificar novas tendências, lançar alimentos para serem boas opções para
o presente e o futuro das marcas é a principal ação para integralizar essa naturalidade dos
alimentos na vida das pessoas.

Confiro o depoimento do Jan Handel no BHB FOOD 2019: