Você participou da 8ª edição do Building Healthier Brands (BHB)? 375 pessoas da Indústria de alimentos, startups, formadores de opinião, chefes, empresários e entusiastas do mundo de alimentos foram conferir este fórum de tendência e inovação em alimentos e bebidas, organizado pelo time da Equilibrium Latam.

O tema central foi “COMIDA, TECNOLOGIA E CULTURA” unindo multinacionais e empresas locais às startups em busca de um único propósito: CONSTRUIR MARCAS MAIS SAUDÁVEIS.

Você já pensou no tamanho do desafio que será alimentar os mais de 9 bilhões de habitantes em 2050? Carolina Bajarunas, idealizadora do FoodTech Movement, nos deixou com uma reflexão: “somos o país que está entre os maiores produtores de carnes e grãos do mundo e concentra dez grandes multinacionais do mercado de alimentos em seu território!” – Como podemos revolucionar este setor?

Discutir sobre a alimentação do futuro é imprescindível, mas como a alimentação pode melhorar a vida de muita gente aqui e agora? Hamilton Henrique mostrou que é possível com garra e coragem por meio do Saladorama, democratizando o acesso à alimentação saudável instalando cozinhas dentro das comunidades brasileiras, empregando, capacitando e empoderando seus moradores com o “simples” fato de vender saladas! Foi de chorar e se emocionar com o poder empreendedor do brasileiro.

De repente, luzes se apagam no BHB! Silencio total, cronometro na tela e o suspense toma conta, é hora do Momento Startup, mais uma novidade da nossa programação. Esse ano, convidamos 4 Startups para apresentar seus pitches e expor seus produtos. Obrigada NutraSolve, Pdal Bars, Só Snacks e Hakkuna por toparem esse desafio!

Mas afinal, como fica a alimentação do futuro? Alexandre Canatella, CEO da Cybercook, foi nosso convidado para discutir sobre Natural e Tech e nos trouxe os serviços baseados em inteligência artificial como um grande player para a redução do desperdício e escassez, por meio da facilitação de serviços de receitas. E pasmem: dias depois é anunciada a compra da CyberCook pelo Carrefour. É o futuro acontecendo agora.

Para falar sobre Antropologia do Consumo e responder à pergunta do milhão:  o que querem os consumidores brasileiros? convidamos Marina Roale, head de pesquisa da Consumoteca, que iniciou sua palestra falando sobre o CAOS com a frase “se sentir confuso se tornou um padrão do nosso tempo”.

Hoje vivemos na Era da Convergência, não conseguimos escolher entre o on-line e o off-line, entre a pizza e a salada, hoje a lógica é “Isso ou Aquilo”. E qual a tendência da alimentação? É trazer visibilidade para a geração Y, que adequa os diferentes momentos da sua alimentação com as situações do seu cotidiano. Para essa geração, a alimentação está relacionada com um break cotidiano, mídias, cultura pop e entretenimento.

O que querem os consumidores brasileiros em meio a todo esse caos? Eles querem diferentes experiências, diferentes contextos e serem consumidores diferentes. Eles querem saúde, mas querem prazer, eles querem atuar de forma sustentável comendo mais plant based, mas querem experimentar o hambúrguer mais cool da cidade. Hoje a nutrição é central na estratégia de inovação nos direcionamentos dos negócios, e por isso, eu subi ao palco do #BHB2018 para falar sobre 6 estratégias para as empresas se tornarem gamechangers na inovação.

  1. Ciência: é a nutrição ativa para o bem-estar, o benefício pautado em saúde, estilo de vida e não mais em tratamento, alimento não cura, não tem este papel. No máximo, ajuda a prevenir;
  2. Comida: comer é um ato biopsicosociocultural, esse pilar representa a estratégia de enfocar não apenas no papel biológico, afinal comemos comida e não nutrientes, desejamos pão e não fibras. Comer é prazer, novidade, experiência;
  3. Produção: ingredientes e a forma de produção devem ser transparentes e autênticos, é a transição entre o processado para o mais próximo ao natural;
  4. Pessoas: posicionamento em segmentação de consumidores, a saída do de one size fits all” para o “meu jeito”!;
  5. Recursos: a estratégia que entende que os recursos são limitados e, portanto, precisamos de uma produção e um consumo mais sustentável;
  6. Tecnologia: empregar a tecnologia para individualizar a relação com as marcas, é o bioracking do corpo, uso de devices para entregar uma nutrição personalizada.

O mundo digital ficou por conta de Renato Dolci, da Back to Basics, que nos apresentou a palestra “Big data e as percepções do mercado através do mundo digital”. O Brasil é o país que mais passa tempo nas redes sociais, já somos mais de 140 milhões de internautas. Esse comportamento tem refletido diretamente no mundo da alimentação, provocando um aumento do número de pesquisas para “cozinhar em casa”, em média, 16 milhões de receitas são pesquisadas por dia, seguidas dos assuntos: sem glúten, vegano e sem lactose.

Dando sequencia ao universo online, Fábio Tachibana, da Agência Grey Brasil, trouxe alguns dados para pensarmos em nosso plano de mídia com os influenciadores digitais da comida: 69% dos usuários tiram foto da comida antes de comer, 66% escolhem o restaurante após verem fotos das comidas do local, 59% dos usuários seguem algum negócio ou marca relacionados com alimentação no Instagram.

Tachibana deixa algumas recomendações: use o talento dos influenciadores para favorecer a sua marca, gere conteúdos relevantes e tenha bom engajamento, abuse do storytelling e de uma boa comunicação. Parece óbvio? Mas são poucos que fazem bem feita esta lição de casa!

Para fechar a parte da manhã, tivemos Diego Bonna, apresentando o Case: Rappi, além do delivery. Eu sou heavy user deste app que é capaz de levar qualquer coisa em casa, vai na loja para você (sim, um personal shoper), traz comida e até saca dinheiro.

Hora de comer? Então uma experiência encantadora, que deixou todo mundo em silêncio. Autoras do Livro Mindful Eating – Comer com Atenção Plena, editora Abril, 2018, eu e Manoela Figueiredo subimos ao palco para convidar os participantes do #BHB2018 para um momento mindfulness, reconectando todos com o momento presente e preparando para o almoço com atenção plena. Falando em almoço, delícias da Liv Light e o lançamento de massas Knorr encantaram a todos e proporcionaram um momento de networking importante, tornando o dia ainda mais saboroso.

Na parte da tarde, Caroline Kurzweil, da Euromonitor Brasil, lista as tendências de Healthy Living e Mindful Eating na América Latina. Pesquisadora da Euromonitor mostra que o estilo de vida mais saudável é impulsionado por três grandes grupos:

  1. Governos: provocam discussões e trazem diferentes tipos de rótulos para as embalagens de alimentos;
  2. Consumidores: 50% dos consumidores buscam por alimentos mais saudáveis, tendo em vista que a maioria considera que um alimento saudável é aquele que não possui adição de corantes em sua composição;
  3. Empresas: o movimento de aquisição de empresas de nicho por grandes multinacionais também tem contribuído para impulsionamento para um estilo de vida mais saudável, aqui temos como exemplo a compra da Mãe Terra pela Unilever e da Verde Campo pela Coca-Cola.

Na categoria de alimentos saudáveis, os que mais crescem são os livres de glúten, uma tendência que parece ter vindo para ficar, além das bebidas alternativas ao leite, como os leites vegetais. Os consumidores estão cada vez mais reconhecendo alimentos do passado, como os grãos e gorduras de origem vegetal, se reconectando com alimentos típicos do nosso país, como a mandioquinha, que ocupa um lugar extenso na mesa do brasileiro.

Fica aqui um desafio para a indústria, produtos que tragam claramente seu propósito e que não sejam apenas para matar a fome. Além da comida, os consumidores estão buscando por experiências que proporcionem o bem-estar físico e emocional.

As tendências de alimentos e bebidas para 2018 e 2019, Carol Godoy, Gerente de Novos Negócios da Equilibrium Latam, traz highlights do relatório desenvolvido pelo nosso time, o QTrends, dividido em 4 áreas de influência sobre a decisão de compra do consumidor, e adjacente as áreas de influência temos tendências que traduzem o comportamento do mercado brasileiro: Saúde (Revolução Intestinal, a Dança Das Cadeiras Entre Carboidratos e Gorduras e Proteínas: muito além do esporte) , Comunicação (Digital e Influente e Processados do bem) , Comportamento (Plant Based, Comer consciente, comer com propósito e Tudo é Snack?) e Experiência (As aventuras durante a jornada de compra e Comid@ é Tech). Acesse a página QTrends para ter acesso aos infográficos de todas as tendências.

Comentando sobre como as grandes corporações veem as mudanças nas gôndolas, Vagner Paes, Diretor de Marketing e Trade Marketing da Danone, brilhou no palco nos mostrando as mudanças de gerações, e que a atual  deseja muito mais que saúde física, eles desejam uma saúde holística e para isso é preciso que as grandes corporações levem a saúde para um maior número de pessoas, e sigam firmes em seu propósito. Como exemplos, Vagner nos apresentou alguns cases Danone, como o Corpus, que chega ao mercado com um design mais moderno e com aromas e corantes naturais e o Activia Sensações, que busca conectar-se com os milênios.

No #BHB2018, também tivemos a Mesa de Discussão com as Startups Pipoca de Colher, +Mu, DeMarchi e Vem,vida, que nos inspiraram com suas histórias de garra, quedas, fracassos e sucessos, e claro, muita resiliência. E também a Mesa de Discussão com Duas Rodas, AQIA e Rousselot, que nos apresentaram como a indústria de ingredientes pode colaborar para a inovação dos produtos de seus clientes.

Falando de microinfluenciadores em saúde e nutrição, Caroline Martinelli, Coordenadora de Novos Negócios da Equilibrium Latam, nos mostrou o grande impacto que microinfluenciadores geram a marca e se esses profissionais forem da área de saúde, educados com um conteúdo certo e engajados em um relacionamento verdadeiro com a marca, o endosso é certo e o resultado maior. Para finalizar, Carol nos deixou com alguns cases Equilibrium e 3 dicas de sucesso:

  1. Mapeie os influenciadores certos, apesar de trabalhosa essa é a principal etapa;
  2. Crie uma curadoria de conteúdo que converse com a sua audiência e gere valor;
  3. Engaje! Você já possui a pessoa certa e o conteúdo de valor, agora é construir relacionamento!

Para fechar com chave de ouro a 8ª edição do BHB, Paulo Pianez, Diretor de Sustentabilidade do Carrefour, apresentou a palestra “Saúde e Sustentabilidade de Forma Prática no PDV. Hoje”, a alimentação se conecta, pois cria laços entre culturas e pessoas. O consumidor quer saber o que está consumindo, como foi produzido aquele alimento e quais questões estão envolvidas em sua produção. Em 2050, teremos nos oceanos, mais plástico do que peixes, por isso é necessário que as indústrias se preocupem com formas sustentáveis de produzir, principalmente pensando em embalagens, aqueles que não atenderem aos requisitos de sustentabilidade ficarão fora do mercado.

Clique aqui e veja as fotos do evento.

E você o que tem feito para construir uma marca mais saudável? Deixe seu comentário aqui para mim e nos vemos no BHB 2019. Ah! E dia 04 de Abril teremos uma edição BHB Suplementos e Nutracêuticos dentro do WellFood Ingredients Summit.

Por Cynthia Antonaccio | CEO Equilibrium Latam