O consumidor deve estar no centro das estratégias das marcas, desde a concepção do produto ou serviço até o seu consumo ou aquisição. Para algumas redes de drogarias, a experiência proporcionada a ele no momento da compra, é o novo foco do seu planejamento estratégico.

A drogaria Onofre, adquirida em 2013 pela norte-americana CVS Health, após processo de reestruturação de pessoas, cultura e processos, inicia agora a nova fase de expansão tendo como base três pilares: e-commerce, reforma das lojas para o novo conceito e crescimento sustentável. O atendimento na loja física é mais intuitivo e possui integração com a loja online, onde é possível comprar no e-commerce e retirar na loja física. A nova plataforma de vendas que também possui um aplicativo, agora é mias rápida e segura. Atualmente as vendas delivery da rede representam cerca de 40% do seu faturamento e esperam ultrapassar os 50% nos próximos dois anos com a integração destes canais de contato, proporcionando melhoria nesta experiência de compra do consumidor.

Já a RD, marca corporativa resultado da fusão entre a Raia e a Drogasil, tem como assinatura “gente, saúde e bem-estar”. Um dos caminhos para este conceito está nos avanços do modelo de prestação de serviços, como mudanças no atendimento a idosos (com local específico para atendimento), aprimoramento de sistemas, aplicativos e novos segmentos de atuação, como a aplicação de vacinas. Alguns ajustes vão ocorrer também na rede 4Bio, voltada para vendas de medicamentos especiais. Haverá um banco de dados onde será armazenado o histórico de compras do cliente, quando o medicamento estiver próximo do fim, ele será avisado pela rede.

As redes varejistas estão preocupadas em engajar o consumidor no momento da compra, fazendo com que essa experiência se torne cada vez mais agradável. Por isso, as marcas de medicamentos isentos de prescrição e produtos de personal care precisam fornecer ao consumidor e ao profissional de saúde, informações ricas e pertinentes sobre os seus produtos, para que a agradável experiência vivida no momento da compra se estenda até a prescrição e utilização do produto.

Avalie a estratégia de comunicação da sua marca para esses targets e identifique possíveis melhorias para atuar de modo mais eficiente nesses novos modelos de atendimento das redes varejistas. Marque um café conosco da Equilibrium para conversarmos um pouco mais sobre este assunto 😉

Fonte: Valor Econômico e Diário Comércio Indústria e Serviços (DCI)