Dia 1° de novembro aconteceu a 9ª edição do BHB (Building Healthier Brands) FOOD, no espaço de coworking, Cubo Itaú, localizado na Vila Olimpia, São Paulo. O evento tem como principal objetivo expandir as relações do mercado de alimentos e bebidas, tirando esse mercado da zona de conforto e abordando temáticas abrangentes para a área, como marketing, saúde e nutrição. 

O BHB FOOD é hoje um dos principais eventos de tendências e inovações do mercado e este ano, o tema foi “A Revolução da Comida”. E discutiu o papel da tecnologia na transformação do cultivo, produção e consumo, considerando como as formações culturais e comportamentais dos seus consumidores podem construir uma nova era na alimentação. 

Com 14 palestras dividas em 4 blocos, o evento trouxe novas possibilidades para a discussão da inserção das tecnologias e da evolução dos comportamentos neste novo cenário da revolução da comida. Além disso, o evento contou com uma área de exposição com muito networking, consultorias, trocas e apresentações de novos produtos para profissionais do marketing, empreendedores e entusiastas da alimentação. 

O primeiro bloco do evento, denominado como “Uma metamorfose ambulante chamada ser humano”, abriu as discussões com a premissa de mostrar que hoje, para os seres humanos, o ato de comer tornou-se um ato biopsicossociocultural*, que abrange a construção de identidade das pessoas e as formas como elas se relacionam. Assim, o bloco trouxe o antropólogo Michel Alcoforado para falar sobre o caos da identidade e como a comida pode ser um resgate disso. Também, a Idealizadora do Instituto Nutrição Comportamental, Marle Alvarenga, discutiu como as emoções, situações e os contextos culturais influenciam nas escolhas alimentares dos seres humanos, como uma prática biopsicossociocultural. Já a Maria Alice Narloch, Analista de Pesquisa da Euromonitor International, mostrou a importância da pesquisa de mercado para entender as necessidades dos consumidores e as novas tendências, como a saudabilidade. 

O segundo bloco, “Pratos, dados e ideias em um universo tecnológico”, contou como o varejo se adaptou as novas realidades dos consumidores. Como ilustração, a Coordenadora de Inovação e Portfólio Manager da Nestlé, Juliana Glezer, falou sobre a forma que a Nestlé adotou para construir um novo processo criativo e alterar seu portfólio para atender as novas conveniências do público. E para entender a tendência saudável desse nicho, Giuliana Vespa, Head de Vendas da NotCo, salientou como é feito um mapeamento através da inteligência artificial para entender os comportamentos alimentares da sociedade, com a intenção de criar novos produtos que atendam suas demandas. Em complemento, Percival Lucena, Blockchain Research Leader da IBM, mostrou como é possível unificar informações de um produto em uma única rede, através do Blockchain. E para encerrar este bloco, o Gerente de Clientes do Setor de CPG do Twitter Brasil, Marcello Vieira, apresentou um pouco da importância das redes sociais nessa nova construção alimentar. 

A terceira parte do evento, “Comida, alimento ou produto – junto ou separado?”, mostrou como o consumidor vai participar dessa nova era alimentar, em que ele não abre a mão da experiência e do resgate alimentar e ainda continua imerso as novas tecnologias que abrangem sua alimentação. Para dialogar sobre essas perspectivas do futuro da comida, a fundadora e CEO da Equilibrium Latam, Cynthia Antonaccio, apresentou a importância da comida na construção das memórias afetivas e o protagonismo do ser humano nesta construção através da representação gráfica do Relatório de Tendências QTrends 2020. Para falar dessa tendência sobre a naturalidade dos produtos e suas origens, Jan Handel, Head de Marketing e Novos Negócios da NATURE’S HEART, mostrou como o mercado está se preparando para a educação alimentar dos novos consumidores e como esses produtos estão sendo inseridos em seus cotidianos. Além disso, para discutir a cadeia de alimentos para o futuro, uma mesa-redonda com Gustavo Guadagnini – Managing Director, da The Good Food Instute no Brasil, Paulo José Soares, presidente da GRSA COMPASS, Pedro Vilela, CEO da Rise Ventures e Eduardo Finelli, Gerente Sênior de Categorias de Nicho Comercial da GPA, trouxe os desafios do futuro do segmento. 

O último bloco do evento, chamado de “Diálogos que Transformam”, ressaltou a importância das experiências humanas em um mundo VUCA (Voltatil, Uncertain, Complex e Ambiguous), principalmente ligadas à comida. Para falar sobre impacto das marcas neste cenário, Keyvan Macedo, Sustentabilidade de Marcas e Produtos da Natura e Ligia Camargo, Head de Comunicação e Sustentabilidade da Danone, ilustraram essa perspectiva com as histórias de suas empresas. Já a Jornalista e Editora-chefe da Revista Vida Simples, Ana Holanda, mostrou como a palavra e os laços afetivos agregam no ato de comer. A também jornalista e diretora geral do Masterchef Brasil, Marisa Mestiço, discutiu a construção do Masterchef no país e como esse formato de entretenimento adentrou o cotidiano das pessoas. Para finalizar, a Diretora do Grupo Equilibrium, Carolina Godoy, trouxe um panoroma sobre o que as nutricionistas pensam desta vertente mais expansiva da indústria de alimentos. 

 

Tivemos um dia intenso, com muitas trocas de experiências e muito conteúdo, para inspirar a todos a fazer diferente e melhor, afinal, a Revolução da Comida já começou e nós, queremos que você faça parte dela 😉